Inovações por todo o lado. Esse é o retrato da Inteligência Artificial no Direito. A transformação digital invadiu todos os segmentos da sociedade, as relações pessoais e profissionais. Apesar de causar certo temor em algumas pessoas, especialmente considerando a diminuição dos postos de trabalho, a IA não surgiu com a ideia de competição.

A inteligência artificial no Direito aparece, na verdade, para deixar ao advogado as funções que são exclusivas dele. Ou seja, ele fará coisas em que não pode ser substituído, como o atendimento pessoal e empático ao cliente. À tecnologia a burocracia!

Saiba um pouco mais sobre a Inteligência Artificial no Direito.

Inteligência artificial no Direito: aplicações

Escritórios de advocacia, departamentos jurídicos, administração pública. A inteligência artificial no Direito não se restringe ao âmbito privado, mas alcança os tribunais e outras instituições públicas. Em qualquer lugar, ela possui aplicações que podem otimizar a atividade e aumentar a produtividade dos profissionais.

Isso porque a inteligência artificial é baseada no aprendizado contínuo na coleta, processamento, pesquisa e análise de informações. Em outras palavras, a tecnologia aprende a se comportar como um humano. Na advocacia, pode ser como assistente virtual dos advogados e demais profissionais. Sua principal aplicação é automatizar tarefas. Realizar pesquisas, rever contratos e ou prever resultados estão dentre suas atribuições.

Pesquisa

Quanto tempo você demora para escrever uma petição de um tema que não conhece? É preciso pesquisar doutrina, artigos, jurisprudência e legislação para fundamentar bem sua peça. Felizmente, com a IA, é possível analisar documentos em poucos segundos. 

Ao invés de você dedicar 4 horas para isso, deixe que a tecnologia faça isso em 15 minutos. Esse tempo a mais, inclusive, ocasionaria uma elevação nos valores dos honorários advocatícios. Com a tecnologia, é possível se manter num preço competitivo.

Revisão de contratos

Outra funcionalidade da inteligência artificial no Direito é a revisão contratual. Já existem plataformas baseadas nessa tecnologia que consegue escanear o contrato e apontar cláusulas omissas ou que exigem revisão. 

Previsão de resultados

Análise de probabilidades pode ser uma tarefa ingrata para o advogado. São muitas horas pensando no que poderia ser, no entanto, a inteligência artificial pode assumir esse papel de analisar documentos para tomar a melhor decisão. Essa tecnologia otimiza o processo de análise de probabilidades, comparação de ações similares e de tendências da jurisprudência. Com a extração de dados do big data jurídico, ela identifica novos casos e elabora estatísticas. 

Em palavras técnicas, é a IA atuando na relação entre modelos preditivos (uso de dados e algoritmos para prever situações futuras) e jurimetria (aplicação da Estatística para compreender processos e fatos jurídicos). 

Benefícios da inteligência artificial no Direito

Utilizar a inteligência artificial no Direito pode trazer muitos benefícios para os usuários, tais como:

  • Agilidade na resolução dos processos: um robô de automação pode cadastrar processos em lotes, capturar os andamentos automaticamente e registrá-los em um software, monitorar e analisar resultados de um processo, escrever peças jurídicas, realizar mediações entre litigantes, etc.;

  • Decisões gerenciais mais fundamentadas: a Inteligência Artificial no Direito extrai dados relevantes por meio de um robô de automação, a partir da identificação de padrões, para prever tendências e demandas, o que possibilita ao gestor tomar decisões mais fundamentadas. 

  • Redução de gastos: ao otimizar a produtividade das equipes, os negócios de advocacia podem aumentar sua margem de lucro.

Desafios

Adotar inovações em um mercado tradicional como o jurídico é um grande desafio. Por isso, pensar em inteligência artificial no Direito é também pensar no que deverá ser trabalhado com as pessoas para que elas aceitem essa tecnologia. Basicamente, são três grandes desafios:

  1. Resistência à mudança: em geral, advogados têm fluxos de trabalho já definidos e se mostram resistentes a adotar uma tecnologia avançada para agregar aos processos internos;

  2. Pensamento de competição: há um grande burburinho a respeito da diminuição dos postos de trabalho com o advento da inteligência artificial no Direito, o que incute nos profissionais o pensamento de competição.

  3. Qualificação profissional: inovações sempre demandam atualização no conhecimento. Por isso, um desafio da IA no Direito é o desenvolvimento de novas habilidades, como a análise e a interpretação de dados, para que os profissionais se mantenham no mercado.

A inteligência artificial no Direito pode ser utilizada para otimizar a prestação de serviços. Os profissionais se dedicam a atividades estratégicas enquanto a tecnologia faz o trabalho burocrático.

Você utiliza alguma solução de IA? Conte para a gente sua experiência!

O marketing jurídico é utilizado por advogados e escritórios de advocacia para aumentar sua cartela de clientes. No entanto, a publicidade também se presta a outras funções, como melhorar o posicionamento da marca no mercado e criar credibilidade. Assim como em outras opções, o marketing na advocacia é regulado pela OAB, que impõe limitações à publicidade do advogado.

Veja como fazer um bom marketing jurídico de acordo com as regras da OAB.

Obedeça às restrições da OAB para o marketing jurídico

O advogado pode anunciar os seus serviços profissionais com discrição e moderação para finalidade exclusivamente informativa. Não é possível realizar divulgação em conjunto com outra atividade. Essa é a primeira premissa presente no Código de Ética e Disciplina da OAB que baliza todo o marketing jurídico.

O Provimento 94/2000 da entidade também dispõe sobre a publicidade, a informação e a propaganda da advocacia. Ele basicamente diz que a publicidade deve apenas levar ao conhecimento do público dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia.

A regra principal, portanto, é o caráter informativo do marketing jurídico, que objetiva preservar a credibilidade do serviço e a dignidade da profissão. Por isso, a OAB impõe limitações.

Limitações previstas no Código de Ética da OAB

As principais limitações ao marketing jurídico estão previstas no Código de Ética da OAB. Dentre elas, podemos citar: 

  • Fazer publicidade por meio de rádio ou televisão, exceto se a aparição visar a ilustração, educação ou instrução, sem propósito de promoção pessoal ou profissional; 

  • Fazer publicidade em eventos estranhos à área jurídica (culturais, esportivos, artísticos);

  • Oferecer serviços por fax, e-mail, BIP ou mensagens de celular;

  • Realizar publicidade vinculada ao possível resultado de uma causa;

  • Abordar temas que comprometam a dignidade da profissão;

  • Anunciar em catálogos profissionais ou empresariais;

  • Promover-se em manifestação pública.

Invista no marketing de conteúdo

Realizar um marketing jurídico de acordo com as regras da OAB é possível. Basta obedecer às limitações que pontuamos acima. Uma das formas mais efetivas é investir no marketing de conteúdo, marcando presença no meio digital de forma interessante para potenciais clientes. De forma simples, esse tipo de marketing se baseia na produção de conteúdos relevantes e de qualidade, como textos de blogs, e-books, infográficos, vídeos etc. 

Para tanto, é preciso adotar algumas práticas, como:

  • Crie um blog, já que o conteúdo produzido deve ter uma vitrine. Em geral, ele é uma parte do site do escritório de advocacia. É uma ferramenta de comunicação e interação com o público-alvo, sendo que os links com os conteúdos podem ser publicados nas redes sociais;

  • Produza guest posts, que é quando você produz um conteúdo para um blog de parceiros sobre um tema de sua especialidade. É uma boa estratégia para que mais pessoas conheçam seu trabalho;

  • Produza conteúdos relevantes e coerentes com seu público-alvo, considerando principalmente uma linguagem acessível e informativa;

  • Faça um brainstorming para selecionar as melhores ideias para a criação de conteúdos relevantes e manutenção do blog;

  • Tenha auxílio de profissionais de marketing, que conhecem as técnicas que otimizarão seu marketing jurídico;

  • Tenha um cronograma de postagem, porque um dos pilares do marketing jurídico é estar sempre presente.

O resultado desse investimento é atrair mais usuários, gerar relevância no meio digital (inclusive subindo nas posições de ranqueamento dos mecanismos de busca), aumentar a credibilidade do seu escritório e fortalecer sua marca.

Utilize o Google Ads

A atualização mais recente sobre o marketing jurídico é um parecer do Órgão Consultivo do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/BA sobre a publicidade da advocacia na plataforma Google Ads. De acordo com o tribunal, advogados podem usar o anúncio de texto à mostra para quem busca pelo serviço, mas não podem contratar as ferramentas de certos anúncios (gráficos, vídeos e apps) que geram a captação de clientela que não busca pelo serviço.

O TED concluiu:

  1. “A utilização do serviço de Anúncio de Texto do ‘Google Ads’ não viola norma deontológica da profissão. Isso porque esta modalidade de anúncio somente alcança usuários que procuram pelos serviços advocatícios; nesse caso (Anúncio de Texto do ‘Google Ads’), o potencial cliente é que está a procurar o advogado e não o contrário”.

  2. “A utilização dos Anúncios Gráficos, de Vídeos e de Aplicativos do ‘Google Ads’ contraria normas deontológicas da advocacia, pois, por força deles, a publicidade gerada alcança pessoas que não estão procurando serviços de advogados.”

Realizar um bom marketing jurídico é uma ótima forma de fazer seu negócio crescer. Se você adotar boas práticas, conseguirá captar clientes e aumentar sua lucratividade.

Você tem boas ideias de publicidade na advocacia? Compartilhe conosco!

Atualmente, as decisões de compra dos consumidores são significativamente influenciadas pelas marcas, por sua reputação e pelos valores que elas representam. Portanto, é fundamental que novos empreendedores entendam que o registro de marcas é um ativo importante e que ajuda a expandir seus negócios.

A marca diferencia um produto ou serviço daqueles de um concorrente. Em um mercado cada vez mais competitivo, o valor dessa diferenciação é valioso. Os clientes conseguem identificar imediatamente o negócio em questão e tornam-se menos propensos a procurar os produtos ou serviços de outra empresa.

Por isso, nesse momento em que o empreendedorismo está em alta no país, empresas e escritórios que consigam demonstrar o valor do registro de marcas aos entrantes e a quem ainda não formalizou a marca de seu negócio podem encontrar um nicho vasto de atuação. A seguir, saiba mais sobre o assunto. 

O valor de uma marca registrada

Uma marca registrada é qualquer nome ou símbolo utilizado para identificar um negócio ou produto. Depois de registrar sua marca, se outra pessoa tentar usar algo semelhante o suficiente para confundir os clientes, você terá o direito de se proteger legalmente e impedir a outra parte.

Em uma única marca ou logotipo, é possível transmitir atributos e mensagens intelectuais e emocionais sobre a empresa e a sua reputação, bem como produtos e serviços da organização. As marcas também podem inspirar sentimentos positivos na mente das pessoas. 

Portanto, quanto mais a reputação, a lembrança e a preferência da marca crescer, mais valiosa ela será e mais resultados trará para o negócio. Marcas comerciais registradas fornecem valor além do core business, abrindo caminho para a expansão do negócio. E é isso que sua empresa pode ajudar empreendedores a conquistarem.

Quais são as vantagens do registro de marcas?

Embora esse registro não seja exigido por lei, é uma boa ideia registrar o nome da empresa como uma marca comercial. Além da proteção contra concorrentes tentando usar o mesmo nome ou similar ao negócio, é possível proteção legal contra produtos falsificados.

Além disso, com uma marca registrada, o empreendedor mantém direitos exclusivos para marcar seus produtos, sem que ninguém mais possa usar seu símbolo, nome ou slogan em regiões específicas.

Uma vantagem adicional de uma marca registrada é que seu detentor também será capaz de se defender contra pessoas que compram um nome de domínio na internet que possui a marca da sua empresa e tenta vendê-lo de volta por uma grande quantidade de dinheiro.

O registro de marca permite que se defenda facilmente contra qualquer pessoa que use um domínio semelhante ou idêntico ao da marca comercial registrada, na mesma linha de comércio ou para fins fraudulentos.

Registrar uma marca é uma maneira simples, eficaz e econômica de não apenas proteger os negócios, como também de colocar em prática os possíveis componentes que ajudarão o negócio a crescer e a ter sucesso.

Dessa forma, quanto mais o empreendedor diferenciar sua marca das demais em sua área de atuação, mais fácil será protegê-la. 

Portanto, aproveite todos esses benefícios do registro de marcas e o ofereça-os a seus clientes. Com tantas vantagens, essa facilidade tendo a conquistar cada vez mais adeptos, constituindo uma oportunidade de atuação com demanda constante para empresas e escritórios de advocacia que queiram inclui-la em seu portfólio de serviços.

E você, já havia pensando em atuar no nicho de registro de marcas? Ficou com alguma dúvida? Compartilhe sua mensagem nos comentários!

No final do ano passado, foi publicada a Lei do Distrato – Lei 13.786/2018. A lei trata de inúmeros aspectos envolvendo o distrato de imóveis em regime de incorporação imobiliária ou de loteamento.

Normalmente, o distrato é visto como um grande risco para as construtoras. Portanto, a nova lei garante segurança jurídica extra a todos os envolvidos.

No entanto, apesar dos benefícios, conhecer mais detalhes sobre a lei do distrato é fundamental para evitar prejuízos no ramo imobiliário. Entenda mais sobre ela, a seguir!

O que é o distrato de imóveis e como ele funciona?

O distrato é o ato que coloca fim a uma relação contratual. Nesse processo, o acordo entre as partes é anulado, encerrando todos os compromissos e vínculos.

Geralmente, o distrato ocorre quando há descumprimento das obrigações acordadas ou existe um consenso de ambas as partes para que aconteça a rescisão do contrato. Também pode ocorrer o distrato unilateral, quando uma das partes envolvidas promove a ação.

Independentemente do motivo, o distrato é considerado inválido quando prejudica financeiramente uma das partes. No caso específico do distrato imobiliário, quando compradores desistem de imóveis em construção ou entregues as construtoras, empreiteiras e parceiras acumulavam muito prejuízo.

Os principais aspectos da lei do distrato de imóveis

De acordo com a nova lei, quando um comprador desiste da aquisição de um imóvel, a incorporadora deverá ficar com metade do valor total pago na compra da propriedade, nos casos em que uma empresa com receita separada a da construtora é responsável por esse bem. Antigamente, a retenção judicial ficava entre 10% e 25% do investimento.

Além disso, os valores pagos com corretagem também devem ser descontados e, caso a propriedade já tenha sido entregue, o desistente terá de pagar os valores de condomínio e impostos já cobrados.

No entanto, quando os imóveis estiverem no nome da construtora, o limite da multa diminui de 50% para até 25%. No caso de loteamentos, a retenção atinge até 10% do que foi pago, com a devolução prevista em 12 parcelas.

A lei do distrato também prevê indenização de 1% do valor pago corrigido para cada mês, no caso de a construtora ultrapassar 180 dias do prazo de entrega contratual. Após esse período, o comprador pode exigir a resolução do contrato com restituição corrigida, além de taxas.

Entretanto, essas sanções só se aplicam aos acordos feitos após a publicação da nova lei. Os contratos realizados antes dela não estão sujeitos aos aumentos previstos.

Como evitar o distrato de imóveis?

Para reduzir as chances de um distrato, é preciso seguir à risca as obrigações previstas. Fazer contratos claros, detalhados e que não gerem dúvidas entre as partes envolvidas, evitando assim prejuízos desnecessários. Definir prazos e padrões que são difíceis de cumprir só aumenta as chances de problemas futuros.

Além disso, é preciso manter o controle de documentos e registros em dia, com o intuito de sanar qualquer demanda jurídica.

Infelizmente, também há o risco de clientes agindo de má-fé processual. Dessa forma, é preciso fazer uma análise completa de cada potencial comprador, incluindo situação financeira e ocorrências no Serasa ou na justiça.

Como vimos, por mais que os distratos sejam riscos prejudiciais, a nova lei do distrato de imóveis prevê um cenário mais seguro para aqueles que investem no setor. Seguir as obrigações, avaliar as partes envolvidas e não celebrar acordos de risco são ações que permitem que nenhuma das partes saia no prejuízo.

E você, deseja ficar por dentro de mais novidades e soluções que auxiliam a lidar com tarefas como o distrato de imóveis? Então, continue acompanhando o nosso blog e até a próxima!

Ter uma serventia mais custo-eficiente, com processos enxutos e precisos, uma equipe que conheça suas atribuições e as execute no tempo e da forma determinada, uma metodologia clara de trabalho e de delegação de tarefas e a geração de informações estratégicas sobre estatísticas de desempenho que permitam a melhoria contínua do atendimento da serventia: tudo isso pode estar mais próximo do que você imagina, representado por uma solução que ajuda a criar, acompanhar e executar o melhor fluxo do cartório – um sistema de automação de workflow.

Neste artigo, descubra mais sobre essa possibilidade e sobre os benefícios que podem ser trazidos pelo sistema Alkaflow para sua serventia. Acompanhe.

O que é workflow?

O termo “workflow”, em tradução livre, significa fluxo de trabalho. Essa é uma denominação utilizada no ambiente organizacional para definir e gerenciar processos nos quais haja um fluxo definido de tarefas a serem executadas em determinada ordem pelos colaboradores e pelos diferentes setores de uma empresa.

Esse fluxo pode ser realizado e monitorado manualmente, porém, em estruturas mais robustas ou que visam aumentar sua produtividade e competitividade, o modelo já não é aderente, sendo preterido por soluções de automação, que tornam tudo mais ágil, preciso e prático.

Assim, por meio de um sistema, é possível que as tarefas da serventia sejam realizadas seguindo determinadas regras e hierarquias, e que todos os envolvidos sejam informados em tempo real sobre o andamento do trabalho e eventuais pendências delegadas a cada funcionário – agilizando o fluxo produtivo e a comunicação entre áreas.

Esse tipo de solução permite ao gestor visualizar o fluxo do cartório de uma forma integrada e objetiva, ajudando a melhorar seus processos, a acompanhar os indicadores de desempenho e a identificar possibilidades de melhoria contínua das atividades da serventia.

Alkaflow: uma solução para otimizar o fluxo do cartório

O Alkaflow é uma solução da Alkasoft que consiste em um sistema de acompanhamento do fluxo do cartório, de distribuição de tarefas, de transferência de atividades e de estatísticas de desempenho da equipe.

Entre os benefícios gerados pelo Alkaflow para o fluxo do cartório e, de modo geral, para sua serventia, destacam-se:

  • Agiliza o gerenciamento das tarefas de sua serventia.
  • Reduz gargalos, inconsistências e retrabalhos por má comunicação sobre o fluxo dos processos do cartório.
  • Possibilita fluidez e padronização na execução de tarefas.
  • Otimiza o atendimento ao cliente do cartório.
  • Ajuda a tornar seus processos mais enxutos e eficientes.
  • Favorece o incremento da produtividade da equipe e do seu nível de colaboração nos projetos.
  • Gera mais transparência nos processos e no fluxo do cartório.
  • Atua na redução de redundâncias operacionais e de etapas burocráticas desnecessárias no fluxo do cartório.
  • Permite um controle de acesso mais eficiente aos dados estratégicos da serventia.
  • Ajuda a deixar as responsabilidades de cada colaborador ou setor mais claras e menos suscetíveis a dúvidas ou interpretações equivocadas.
  • Fornece dados para a tomada estratégica, tática e operacional de decisões na serventia.

E então, o que achou dessa solução para melhorar o fluxo do cartório? Você está em busca de alternativas para modernizar sua serventia e tornar seus processos mais transparentes e custo-eficientes? Para saber mais sobre como o Alkaflow pode ajudá-lo, entre em contato com nossos consultores e solicite uma demonstração do sistema.

Hoje em dia, os proprietários de cartórios têm disponível uma quantidade enorme de informação, o que requer maneiras inovadoras de obter controle, compreensão e inteligência a partir dos dados – e uma das melhores soluções para esse desafio é adotar uma estratégia de BI no cartório.

No entanto, muitos estabelecimentos demoram para inserir o Business Intelligence (BI) em sua rotina, devido à falta de conhecimento sobre ele, dúvidas sobre por onde começar e quanto ao retorno do investimento. A verdade é que o BI precisa ser parte integrante da operação de qualquer negócio que faça parte do universo competitivo, dinâmico e complexo das organizações contemporâneas.

Pensando nisso, neste artigo, vamos apresentar como a inteligência de negócios permite melhorar a tomada de decisões e definição de estratégias para o sucesso de um cartório. Acompanhe a seguir.

O que é Business Intelligence?

O BI é um conceito que envolve a coleta e análise de informações comerciais relevantes e úteis em uma organização. Ele consiste em um processo orientado por tecnologia para analisar dados e apresentar informações acionáveis, a fim de ajudar executivos, gerentes e outros usuários finais corporativos.

As empresas utilizam BI para detectar eventos significativos e monitorar tendências de negócios, com o objetivo de se adaptar rapidamente a um novo cenário.

Ele permite, também, melhorar a tomada de decisões em todos os níveis de gerenciamento, além dos processos estratégicos. Isso otimiza a capacidade de identificar oportunidades adequadas para sua serventia, possibilitando, assim, planejar um futuro de sucesso.

Por que investir em BI no cartório?

Tendo como base diversas métricas e indicadores de desempenho, o BI no cartório permite transformar simples dados brutos em informações úteis, possibilitando planejar ações que podem melhorar os resultados de uma serventia.

No serviço de notas e de registro, a tecnologia de BI oportuniza fazer a análise de tendências, detectar oportunidades, assim como identificar falhas operacionais. Com isso, é possível agir de forma mais rápida, melhorando a eficiência dos serviços do cartório.

Com o auxílio de relatórios e gráficos, antecipa-se os valores de receitas, é feita a análise de ações de funcionários, média de dias para lavraturas de protocolos em aberto, assim como outros índices armazenados em bancos de dados.

Como implementar o BI no cartório?

Para obter todos os benefícios de um sistema de business intelligence, é recomendado investir em pessoal capacitado, além de treinamento e um software projetado para trabalhar nos serviços oferecidos pelo cartório.

A implementação de uma solução BI pode ser um divisor de águas para um cartório, fornecendo informações integradas sobre os dados de todos os seus departamentos. Entretanto, uma implementação funciona melhor quando é feita de maneira gradual ou em etapas.

É uma prática recomendada envolver todas as partes interessadas da equipe desde o início. No entanto, distribua a implantação gradualmente entre os departamentos em vez de tentar forçar todo o cartório a fazer uma mudança completa de uma só vez. Isso permite uma aceitação mais fácil, e concentrar seus recursos um pouco de cada vez.

Além disso, tenha em mente que o BI não é um projeto estático. Ele requer cuidados e manutenção constantes. Conforme seu cartório cresce e muda, você precisa ajustar seu sistema de business intelligence para acomodar essas novas alterações.

Dessa forma, o BI no cartório permite melhorar a performance organizacional, analisar cenários e otimizar a produtividade. Conhecendo as tendências do setor, seu cartório pode tomar decisões bem informadas e fundamentadas que ajudarão seu negócio a se modernizar e prosperar.

E você, já adota o BI no cartório? Ficou com alguma dúvida sobre o tema? Compartilhe sua mensagem nos comentários e até a próxima!

O Lawyer Eleven é um software de gerenciamento de escritórios de advocacia e departamentos jurídicos. Ele atende desde negócios de pequeno ou médio porte a estruturas maiores e mais complexas. Qualquer gestor jurídico sabe da importância de contar com uma ferramenta que o auxilie na gestão e otimize suas atividades. O Lawyer Eleven é um deles. Quer conhecê-lo melhor? Confira alguns pontos inovadores do software!

Módulos do Lawyer Eleven

A proposta do Lawyer Eleven é otimizar a gestão de forma global. Para tanto, se baseia em 5 módulos: 

  • Agenda: funcionalidades relacionadas ao registro e ao acompanhamento de atividades e agenda de compromissos. Cadastro de tarefas, controle de prazos e compromissos vinculados aos processos. 

  • Controle de Tempo: soluções de gestão (kanban, timesheet, etc.) que permitem um controle prático e objetivo de prazos, tarefas e registros de trabalho.  

  • Contatos: armazenamento de todos os dados completos referentes aos stakeholders do escritório;

  • Pasta processual: permite a visualização rápida do progresso das atividades de seu negócio, gerencia pastas de processos, recursos e incidentes e permite a consulta aos detalhes de cada ação;

  • Relatórios: geração de relatórios personalizados.

Interface

O Lawyer Eleven possui um painel que possibilita uma visão geral de todos os andamentos processuais inseridos no sistema. Por meio dele, é possível realizar controles por datas ou períodos. Veja alguns itens dispostos na sua tela:

  • Item (olho): quando selecionado marcará que este andamento já foi visualizado;

  • Item (relógio): tem a função de lançar na timeline da pasta este andamento; ao selecioná-lo abrirá a janela informativa com a descrição deste;

  • Item (calendário): tem a finalidade de lançar um prazo para este andamento; ao selecioná-lo abrirá a janela de configuração de prazos.

Novidade: Lawyer Diários

A busca de publicações nos diários oficiais poderia levar muito tempo se não fosse automatizada. Com o Lawyer Eleven, as publicações são vinculadas automaticamente ao processo se ele já estiver cadastrado. Caso ele não esteja, a publicação ficará sem vínculo, podendo posteriormente ser vinculada ao processo referente.

O serviço de captura traz periodicamente as novas movimentações publicadas sobre os respectivos processos nos órgãos da justiça. No Lawyer Eleven, é apresentado um quadro de resumo, onde constam os dados referentes às cotas de capturas e quantidade ativa. No Lawyer Web, a captura é uma funcionalidade adicional, mas no Lawyer Eleven, essa solução já vem integrada ao sistema.

A captura dos processos nos órgãos da Justiça é vasta. Ela abrange:

  • Justiça federal (todos os estados brasileiros);

  • Tribunais regionais do trabalho (todos os estados brasileiros, inclusive com algumas versões ADM, eletrônicas ou extras);

  • Tribunais regionais eleitorais (todos os estados brasileiros);

  • Tribunais de justiça (todos os estados brasileiros, inclusive o caderno administrativo e de editais do Tribunal Militar em MG);

  • Ministério Público: Alagoas, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro;

  • Tribunais Superiores: Conselho da Justiça Federal, Conselho do Ministério Público, Conselho Nacional de Justiça, Conselho Nacional da Justiça do Trabalho, Diário Oficial da União, STJ, STF, Tribunal de Contas da União, TRF-1, TRF-2, TRF-2 (ADM), TRF-3, TRF-4, TRF-5, Tribunal Superior do Trabalho e Tribunal Superior Eleitoral;

  • Diários do Poder Executivo: Alagoas, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo;

  • Tribunal de Contas: Bahia, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro.

Além dos diários de abrangência nacional, há ainda publicações relativas a cada estado, como:

  • Alagoas: Defensoria Pública, Diário Oficial dos Municípios de Alagoas, Eventos Funcionais, e Ministério Público;

  • Bahia: Diário do Município, Diário Oficial, Diário Oficial da Procuradoria da República na Bahia, Tribunal de Contas do Município;

  • Distrito Federal: Diário Oficial do Distrito Federal;

  • Minas Gerais: Conselho dos Contribuintes, Diário do Município de Minas Gerais, Diário Oficial dos Municípios Mineiros, Legislativo, Publicação de terceiros de Minas Gerais;

  • Paraíba: Diário Oficial da Paraíba;

  • Pernambuco: Complemento, Juizados Especiais

  • Rio de Janeiro: Junta Comercial, Legislativo, Municipalidade, Município do Rio de Janeiro, Publicação a pedido;

  • São Paulo: Cidade, Empresarial, Junta Comercial, Legislativo e OAB.

O Lawyer Eleven é uma solução completa que certamente pode auxiliar o gestor no controle de seu escritório de advocacia ou departamento jurídico. Dentre os benefícios, você pode usufruir de boa gestão da informação, visão estratégica, organização, controle dos prazos e flexibilização.

Que tal conhecer nossa ferramenta? Solicite uma demonstração gratuita agora mesmo.

Você deve conhecer aquele ditado popular que afirma que “o barato sai caro”, não é mesmo? Infelizmente, ele reflete uma realidade de mercado que está impactando negativamente diversas serventias: soluções de backup em nuvem que apresentam um custo inicial bem abaixo da média e que, por isso, acabam se mostrando ineficientes e não seguem os requisitos trazidos pelo Provimento 74/2018.

Neste artigo, saiba mais sobre as exigências trazidas por essa norma, os prejuízos que podem ser enfrentados pela serventia ao optar por um sistema ruim e uma breve apresentação da solução trazida pelo Alkabackup. Confira a seguir.

Quais são os principais requisitos quanto a backups demandados pelo Provimento 74/2018?

Um dos objetivos do Provimento 74/2018 é estimular a preservação da informação notarial no longo prazo e assegurar a segurança contra ações maliciosas como o acesso não autorizado às informações. E o backup é um dos recursos-chave para isso, ajudando a garantir a integridade dos dados mesmo em situações adversas.

Quanto aos requisitos trazidos pela norma nesse contexto, estão:

  • Todos os livros e atos eletrônicos praticados pelos serviços notariais e de registro deverão ser arquivados de forma a garantir a segurança e a integridade de seu conteúdo. Para isso, seu backup deverá ser feito com intervalos não superiores a 24 horas.
  • Fazer uso de dispositivos de armazenamento digitais, sejam eles físicos (disquete, cartão de memória, pendrive, CD, CD-R, CDR-W, DVD, blu-ray, disco rígido, SSD) ou virtuais (rede local, disco virtual, cloud computing).
  • Utilizar sistema antissequestro de dados. Vale ressaltar que a cópia eletrônica gerada por tal sistema e salva na nuvem oferece a possibilidade de restaurar facilmente os dados no caso de alguma avaria. 
  • Utilizar apenas softwares livres ou com licença comercial ativa (é proibida a utilização dos softwares não genuínos para tarefas da serventia, como os backups.

Por que o barato pode sair caro?

Na hora de avaliar os diferentes produtos disponíveis no mercado, pode parecer sedutor escolher o de valor mais baixo – mesmo que esse valor seja suspeitosamente menor do que o dos concorrentes.

Saiba que rapidamente isso irá refletir no nível de segurança, atualização, usabilidade e adequação à rotina notarial. E que, ainda por cima, seus desenvolvedores não têm nem ideia do que seja o Provimento 74/2018 ou as demandas mais específicas dos cartórios.

Ainda, adquirir uma solução que não traga backups realizados diariamente, em locais diferentes, armazenados na nuvem e que não ofereça um atendimento imediato pode gerar prejuízos enormes em casos como os de sequestro de dados.

Infelizmente, esse tipo de ataque está cada vez mais comum, e instituições como os cartórios, que reconhecidamente armazenam dados de grande importância, são bastante visadas. Os resgates solicitados podem chegar nos milhões de reais e os prejuízos à imagem e à gestão da serventia são incalculáveis em caso de perda dos dados, podendo levar a processos administrativos e à perda de delegação ao se constatar a ineficiência de seu gestor.

Alkabackup: solução segura e alinhada ao Provimento 74/2018

O Alkabackup é uma solução adicional e integrada ao sistema Cart, da Alkasoft. Ele que cria logs de 4 MB e armazena os dados do cartório na nuvem, mantendo cópias seguras em locais diferentes. Desse modo, é possível proteger, recuperar e armazenar a base de dados da sua serventia de forma prática e segura. 

Vale ressaltar que o sistema atende às exigências apresentadas pelo Provimento 74/2018 quanto à formação e manutenção de arquivo de segurança pelos serviços de notas e de registro. Ainda, por trabalhar diretamente na base do CART Imóveis, você não precisará manter dois sistemas diferentes que podem não ter a compatibilidade desejada e necessária para a realização das rotinas de sua serventia. 

O sistema da Alkasoft possibilita, ainda, a certificação digital, o que torna possível a geração de trilhas de auditoria própria, além da criação de permissões de acesso, conforme outras prescrições do Provimento 74/2018.

E como segurança adicional, ao contratar um serviço de empresa com credibilidade no mercado, como a Alkasoft, que soma mais de 25 anos de atuação, você terá a certeza de estar adquirindo uma solução completa, confiável, segura e que, ainda, conta com serviço de suporte que poderá ser acionado sempre que necessário. 

E então, você ficou interessado em utilizar o Alkabackup em seu cartório? Solicite uma demonstração ou entre em contato!

O gerenciamento de tarefas é uma das práticas mais difíceis dentro de um negócio. O mesmo vale para os escritórios de advocacia, com o agravante de que a maior parte das atividades jurídicas tem um prazo determinado. Para que essa gestão seja bem-feita, é preciso adotar métodos e ferramentas que a facilitam, como é o caso do Kanban, uma espécie de quadro de tarefas.

O software jurídico Lawyer Eleven implementou essa nova funcionalidade, o módulo “Tarefas”, que serve para controlar o andamento das atividades de forma fácil e intuitiva, e contribui para uma boa gestão de prazos e para a organização da rotina. Acompanhe!

Importância do quadro de tarefas

Um quadro de tarefas serve, prioritariamente, para organizar os processos internos de um escritório de advocacia. É preciso ter clareza sobre quem é o responsável por determinada atividade e qual o prazo máximo para sua execução. Ou seja, o gestor deve saber a quem compete cada etapa do processo. Esse gerenciamento de tarefas se liga, assim, ao controle da agenda e à gestão do tempo.

Felizmente, com um software jurídico como o Lawyer, é possível alcançar uma boa produtividade ao executar tais atividades. Afinal, com a organização da rotina e dos processos internos, o escritório cumpre ao que se propõe, se afirma como referência em competência e profissionalismo e, consequentemente, obtém sucesso em sua atividade.

Kanban: gerenciamento de tarefas

Se você já viu um grande painel repleto de post-its coloridos, você conhece o Kanban. Esse método de organização e gerenciamento de tarefas é um dos favoritos em diversas empresas. Pode até parecer arcaico, mas esse board com blocos de notas coláveis são eficientes, inclusive, para grandes projetos. E o motivo é simples: existe uma metodologia por trás dele.

O Kanban (“tabuleiro”) nasceu no Japão, nos anos 60, na fábrica da montadora Toyota. A ideia era mudar a metodologia de gestão para alcançar melhores resultados. Ele propõe a utilização de cartões (post-its ou cards em uma visualização online) em um quadro para indicar e acompanhar o andamento dos fluxos de produção (processos) nas empresas. Além de utilizar poucos recursos, é prático e visual.

O gerenciamento de tarefas por meio do Kanban no escritório de advocacia facilita o controle de qualidade, porque permite detectar problemas do negócio e suas soluções, analisar a viabilidade, gerenciar o tempo, organizar equipes, e estabelecer prioridades.

Quadro de tarefas do Lawyer

O módulo “Tarefas” do Lawyer é um Kanban digital. Com layout simples e intuitivo, o usuário pode adicionar colaboradores ou grupos para participar dos projetos, e as tarefas são separadas em 3 grupos:

  • Pendentes: tarefas que ainda serão feitas;

  • Em andamento: tarefas que estão sendo executadas pelos profissionais;

  • Finalizadas: tarefas que já estão prontas.

O quadro de tarefas do software também permite que o usuário escolha visualizar tarefas de pastas arquivadas, bem como as finalizadas no último intervalo de dias (5, 10, 15, 30, 60, 90, 120, 150 e 180 dias).

Esse painel de gerenciamento de atividades é uma função fundamental para a advocacia, porque mantém tanto o gestor quanto as equipes informadas acerca dos processos que estão em curso no escritório. É possível notar uma melhoria na comunicação interna e na integração entre os profissionais, além do aumento da produtividade como decorrência dessa organização.

O quadro de tarefas do Lawyer, por ser de fácil uso, certamente pode trazer melhores resultados para seu negócio. Mas a tecnologia do software pode ir muito além: esse sistema contribui bastante para a organização da rotina do escritório de advocacia. Com o gerenciamento de tarefas pelo Kanban, o gestor possui mais controle sobre os processos, elevando a produtividade da equipe e obtendo melhores resultados.

E você, como promove o gerenciamento de tarefas no seu escritório de advocacia? Que tal testar a funcionalidade do Kanban no software jurídico Lawyer Eleven sem compromisso e gratuitamente? Solicite uma demonstração.

O processo de registro de marcas no país tem a fama de ser moroso e burocrático. No entanto, o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) tem trabalhado para mudar esse cenário e otimizar as tarefas que são de sua alçada.

Desse modo, o tempo de espera para a conclusão do registro de marcas tem sido reduzido, apesar do aumento nas solicitações – o volume de pedidos aumentou quase 10% em 2018 em comparação com o ano anterior. Saiba mais sobre esse tópico a seguir!

Redução no tempo demandado para registro de marcas no Brasil

De acordo com informações do Relatório de Atividades 2018, que traz diversos dados consolidados sobre propriedade industrial no país, esse ano-base apresentou diminuição no tempo demandado para exame das solicitações de registros, além de um incremento produtivo nas áreas finalísticas e redução de 46,6% do estoque de pedidos pendentes de exame (conhecido como backlog).

Ainda, o INPI também registrou redução no período demandado para exames dos pedidos com oposição, indo de 64 para 13 meses, uma baixa bastante expressiva para esse tipo de caso delicado. 

Esses resultados foram possíveis a partir da adoção de determinadas iniciativas. Entre elas, a expansão do trabalho remoto, maior capacitação dos servidores que ingressaram no instituto, automação no fluxo do exame e do controle de prazos e pagamentos, investimentos em modernização de equipamentos, entre outras. 

Qual é hoje o tempo de espera para registro de marcas?

Conforme os dados divulgados no relatório, anteriormente, o período de espera era de, ao menos, três anos. Agora, a média passou a algo em torno de um ano a um ano e meio. 

Isso significa uma melhoria expressiva: pode-se dizer que, com as medidas adotadas, hoje leva-se a metade do tempo que se levava alguns anos atrás para se fazer o registro de marca no Brasil.

Qual é a perspectiva para 2019 e os próximos anos?

Para 2019, a expectativa é de que as melhorias no INPI continuem sendo incorporadas. Investimentos em tecnologia, aperfeiçoamentos em processos e procedimentos internos e otimização das estruturas regionais para elevação da capacidade de produção técnica do órgão são algumas das ações esperadas.

Ainda, recentemente o Senado aprovou o Projeto de Decreto Legislativo n.º 98/2019, que formaliza a adesão do país ao Protocolo de Madrid, que trata do registro internacional de marcas e isso deve impulsionar mais ações de melhoria por parte do INPI a fim de estimular empreendedores a registrarem também internacionalmente sua marca e a divulgarem-na com mais segurança em outras nações.

A meta para 2021 é que o tempo demandado para o exame técnico de marcas fique em torno de 8 meses para pedidos com oposição e de 4 meses para pedidos sem oposição.

Como sabemos, o Brasil é um país com DNA empreendedor, seja por necessidade ou seja para aproveitamento de oportunidades de mercado. E isso não deve mudar. O incremento nos pedidos de registro de marcas é um reflexo disso e, também, da maior conscientização dos benefícios que a formalização traz aos empreendimentos. 

Nesse contexto, o trabalho do INPI deve ser cada vez mais demandado e para que esse não seja visto como um entrave para a entrada das empresas no mercado com o timing correto, espera-se que o instituto continue adotando melhorias e apresentando reduções de tempos de espera de seus serviços, de modo a se posicionar como um órgão que ajuda a promover a inovação e um melhor ambiente de negócios para as empresas brasileiras.

O que você achou da redução no tempo de espera para registro de marcas no país? Que outras melhorias nesse processo você gostaria de ver implementadas? Deixe sua mensagem nos comentários.

> Conheça o Siga Sua Marca