fbpx

O descumprimento de pagamentos, prazos e contratos pode ocorrer em diversas empresas, inclusive em escritórios de advocacia. Para manter seu funcionamento e aumentar lucros, é necessário controlar e reduzir a inadimplência do seu escritório de advocacia. A situação é delicada, afinal, é preciso manter um bom relacionamento com clientes e fornecedores.

Por isso, separamos algumas dicas para você reduzir a inadimplência do seu escritório de advocacia. Confira:

Contratos para prestadores de serviços

Muitos advogados não levam em consideração, porém, é fundamental a criação de contratos para prestadores de serviços. Com um contrato dentro da lei, claro e objetivo, fica muito mais fácil para cobrar o prestador de serviço, além de tornar a relação mais formal e séria. No contrato, também ficará estipulado uma multa em casos de inadimplência. Caso ocorra, seu escritório estará protegido pelo contrato se precisar cobrar judicialmente.

Orçamento detalhado

Ainda sobre o contrato, é preciso detalhar e especificar o máximo possível dos custos do serviço, tanto para prestadores quanto para clientes. Assim, diminuem-se os riscos de inadimplência.

Gestão das finanças

Em uma gestão de escritório de advocacia, as finanças precisam ser muito bem administradas. Para isso, você precisa contratar um profissional especialista em contabilidade. O profissional vai dedicar seu tempo exclusivamente para isso, realizando uma gestão mais detalhada.

Flexibilidade de pagamento

Como a inadimplência é algo que acontece sem previsão, é preciso estar preparado. Você pode contribuir disponibilizando uma maior flexibilidade nos pagamentos. Na maioria das vezes, uma boa conversa pode resolver uma dívida. Facilidades no pagamento e prazos podem ajudar a quitar dívidas, ajudando o cliente e ao mesmo tempo seu escritório. 

Gostou das dicas? Esperamos que sejam úteis para auxiliar no gerenciamento das finanças do seu escritório. Você pode acessar nosso blog para conferir mais artigos e dicas. 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *