fbpx

Os cartórios prestam serviços de grande importância à população, ajudando a gerar mais segurança aos negócios e atos jurídicos realizados por seus clientes. A partir disso, a serventia passa a ter, também, a incumbência de armazenar e preservar as informações geradas nesses processos. Acontece que essa tarefa tem enfrentado desafios nos dias de hoje, como os trazidos pelos casos de sequestro de dados do cartório.

Esse problema ocorre quando cibercriminosos bloqueiam o acesso aos dados dos equipamentos e cobram um alto valor de resgate para devolvê-lo. Infelizmente, essa situação está cada vez mais comum para negócios de todos os tipos e de todos os portes. 

Conforme um alerta da Kaspersky Lab, mais de 40% das micro e pequenas empresas sofreram algum tipo de ataque relacionado aos sequestros de dados nos últimos 12 meses. E isso inclui cartórios, como o caso da serventia de Espera Feliz ou a bem recente situação enfrentada pelo Registro de Imóveis da 2ª Zona em Caxias do Sul/RS.

Para evitar o sequestro de dados do cartório de sua responsabilidade, confira nossas dicas a seguir.

O problema do sequestro de dados

Os primeiros casos de sequestro de dados de empresas foram relatados ainda no final dos anos 1980, quando um vírus impedia a utilização dos computadores. Já nos anos 2000, surge o chamado ransomware e as extorsões características em troca de dados começam a ser registradas. 

A partir de 2006, o processo passa a ficar mais requintado, o que dificulta ainda mais a recuperação dos dados sequestrados e com acesso criptografado pelos cibercriminosos. 

Esse problema atingiu tão grandes proporções que até mesmo o FBI se envolveu na questão, a partir de 2013, quando uma variação ainda mais poderosa de ransomware surgiu e causou diversos danos aos usuários. Para se ter uma ideia, somente nos últimos meses desse ano, mais de 5 milhões de dólares foram roubados por meio do Cryptolocker, essa nova versão de ransomware.

Como evitar situações como o sequestro de dados do cartório?

Agir preventivamente sempre é a melhor solução. Para isso, é importante:

1. Manter antivírus e firewall sempre atualizados

Ainda há quem acredite que apenas instalar esses recursos nos computadores seja suficiente para mantê-los sempre seguros. Isso não está correto. Na verdade, novas ameaças surgem rotineiramente, levando as empresas a lançarem atualizações contra tais perigos. Então, somente mantendo tais softwares sempre atualizados a proteção contra sequestro de dados do cartório será efetiva.

Outra ação que, quando possível, torna sua segurança mais reforçada é ter um técnico em TI que seja responsável pela atuação dos equipamentos do cartório. Hoje, alguns ataques ocorrem a partir da simulação de pedido de atualização de software e, quando o usuário concorda com a atualização, sua máquina é infectada e o sequestro de dados do cartório inicia. Assim, ter alguém da área, que conheça esse tipo de ameaça e saiba detectar quais as origens oficiais de atualizações dos programas é importante.

2. Alertar sua equipe sobre ações maliciosas como a Zero Day

Uma das ações mais utilizadas pelos cibercriminosos para sequestro de dados é a chamada Zero Day. Nela, eles tomam conhecimento a respeito de determinada vulnerabilidade em software divulgada pelo próprio fabricante e utilizam seus conhecimentos técnicos para atacar tais fragilidades enquanto uma correção não é disponibilizada aos usuários.

A partir disso, campanhas de SPAM são enviadas para espalhar tal ataque, enviando um e-mail ao usuário sobre um tópico que deve ser de seu interesse. Sem imaginar que está tendo seu equipamento atacado, o usuário abre o e-mail, que comumente apresenta um anexo ou link para se clicar, e o dispositivo é, então, infectado.

E o problema pode não parar por aí: esse equipamento infectado pode conseguir estabelecer comunicação com outros e espalhar o código malicioso, levando ao controle da rede e à criptografia de todos os dados do cartório para exigir-se um resgate por eles. 

Por isso, os usuários devem evitar a abertura de mensagens duvidosas e, principalmente, o download de arquivos ou clique em links desconhecidos. Por mais que a mensagem pareça interessante, se vem de um usuário desconhecido ou de origem não requisitada, é importante sempre confirmar seu remetente antes de assumir uma atitude que ofereça riscos a todos os dados do cartório. Ainda, é essencial evitar acesso a sites maliciosos, aplicativos vulneráveis desenvolvidos por empresas desconhecidas e links e vídeos suspeitos em redes sociais. 

3. Fazer backups frequentes na nuvem

Ter backups sempre atualizados e na nuvem, sendo realizados de modo automático, ajuda a criar camadas de proteção extra contra problemas como o sequestro de dados do cartório. É importante lembrar de que o backup armazenado remotamente não terá conexão com os dispositivos locais no momento de uma eventual infecção, o que é fundamental para garantir a integridade dos dados e evitar ter de pagar para resgatá-los.

Utilizar soluções, como o sistema Alkabackup, que foi desenvolvido com as tecnologias mais avançadas que incluem sincronização de arquivos, controle de versão e recuperação de dados, é uma excelente forma de manter seu cartório e seus dados protegidos em situações como essas. 

Você já adota medidas preventivas contra o sequestro de dados do cartório? Já conhece o Alkabackup, o serviço de backup de dados do cartório da Alkasoft? Então, entre em contato conosco e solicite uma proposta.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *