Registro de marcas: 5 dicas para ganhar velocidade nos seus processos

A grande quantidade de depósitos de marcas que o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) recebe todos os anos mostra que, cada vez mais, o empresário brasileiro vem se dando conta da importância que o registro de marcas tem para o seu negócio.

Isso se explica porque o procedimento não garante apenas um direito, mas também reconhece a marca como um importante ativo para uma empresa. Ou seja, além de você ter a segurança de que possui exclusividade em todo o território nacional em relação aos seus produtos e serviços, a sua empresa também ganha valor de mercado. Mas como é possível agilizar o procedimento de registro de marca e obter melhores resultados para o seu negócio? Desta vez, vamos dar 5 dicas para você ganhar velocidade em seus processos.

Confira as diferenças entre o Registro de Marca e o Registro de Patente

Muitas pessoas confundem, mas é importante ter em mente que Registro de Marca não significa o mesmo que Registro de Patente.

O Registro de Marca é quando você busca uma proteção e também o direito sobre o nome, símbolo ou figura do seu produto e serviço. Para conseguir o registro, a sua marca precisa ser nova e cumprir a função proposta. O prazo de todo o procedimento é de até 4 anos.

Já o Registro de Patente é um pouco mais complicado, Ele é utilizado para proteger a invenção de um produto inovador e qualquer pessoa física ou jurídica pode dar entrada no processo, que pode demorar até 14 anos.

Dica 1: Pesquise para saber se a marca desejada está disponível

Essa pesquisa é realizada no próprio site do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o órgão oficial de registro de marcas no Brasil.

É claro que ela não é obrigatória, mas, acredite, pode poupar bastante tempo e agilizar os procedimentos. Afinal de contas, para que dar início a um processo de registro de marca se, logo na pesquisa, você já percebe que ela não está disponível?

Caso as pesquisas mostrem que você não obterá sucesso, você ganha tempo para fazer as devidas modificações e, só então, dar entrada no registro de marca.

Atualmente, para facilitar essa busca, algumas tecnologias já são capazes de automatizar a pesquisa e notificar qualquer tipo de colidência entre marcas. Essa pode ser uma boa alternativa caso você tenha muitos registros de marcas para acompanhar.

Dica 2: Organize os documentos necessários

Levantar todos os documentos necessários logo no início do pedido de registro de marca tornará o processo muito mais ágil e evitará transtornos. Por isso, confira quais são os documentos necessários para o registro de marcas:

  • Cópia do Contrato Social (atos constitutivos) ou inscrição de Empresário Individual (MEI, ME, Firma Individual).
  • Número do CNPJ/MF da empresa ou RG, CPF e comprovante de endereço em caso de profissionais liberais, além de documentos que comprovem a atividade exercida.
  • Logotipo (se houver).
  • Relação completa dos produtos ou serviços a serem protegidos pela marca.

Dica 3: Tenha cuidado na hora de escolher a classe de produto ou serviço

Esse também deve ser um ponto de atenção. Escolher a classe correta de produtos e serviços na qual a sua marca será registrada é importante para que o processo não seja interrompido por causa de um simples erro.

A escolha da classe a ser registrada é importante, uma vez que a proteção de marca só é válida dentro dessa área específica de atuação.

Por isso, se você trabalha com uma empresa alimentícia, não adianta nada ter a marca registrada em uma classe de artigos de vestuário, por exemplo. Qualquer pessoa poderia registrar uma marca idêntica à sua na classe correta.

Para evitar erros como esse e um consequente atraso no registro de marcas, tenha atenção na hora de escolher qual a sua classe de produto ou serviço.

Dica 4: Tenha atenção aos prazos

Além dos pontos anteriores, tenha muita atenção aos prazos. Esse é, com certeza, o erro mais comum que as pessoas cometem, o que acaba por gerar muitos atrasos nos processos de registro de marca.

Você deve acompanhar semanalmente a RPI para ter acesso a todas as comunicações oficiais relativas aos seus processos – e é justamente a partir da publicação que os prazos começam a contar.

É claro que se você possui muitos processos de registros de marca para acompanhar, a tarefa pode ficar um pouco mais complicada. Mas, para isso, já existem sistemas que fazem o acompanhamento automatizado e notificam você a respeito de qualquer movimentação.

A solução é bastante prática e garante muito mais agilidade nos processos!

Dica 5: Invista em tecnologia – conheça o Siga Sua Marca

Com o software Siga Sua Marca, você consegue acompanhar e analisar de forma automatizada todos os dados publicados semanalmente na RPI.

Você também é informado a respeito de despachos em seus processos ou mesmo colidências existentes. Assim, fica muito mais fácil agilizar processos e não perder nenhuma movimentação, não é mesmo?

O software ainda possui várias outras funcionalidades relativas ao monitoramento de marcas. Para conhecer mais sobre a solução, solicite uma demonstração ou entre em contato conosco!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer receber outros conteúdos como esse?
Cadastre-se para receber as nossas atualizações!