fbpx

Posts

A Alkasoft existe há mais de 20 anos no mercado e trabalha com a evolução de soluções tecnológicas adequadas ao meio jurídico, especialmente nas áreas de marcas, cartórios e advocacia. Nossa empresa é a responsável pela criação do Siga Sua Marca, que é um sistema de análise de colidências em relação às marcas. Essa solução surgiu devido à necessidade da busca preliminar de marcas.

A busca preliminar de marcas tem o objetivo de analisar a viabilidade do cadastro de uma marca no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). Esse registro é o que garante o direito de exclusividade da marca de uma organização. Esse processo é de extrema importância para que todas as etapas de registro sejam respeitadas, desde a verificação da existência de nomes semelhantes até a análise da influência dos nomes no registro de marca.

Como funciona o software Siga Sua Marca?

Antes de falarmos sobre como o Siga Sua Marca funciona na prática, vamos abordar as razões que fizeram a Alkasoft investir nessa solução. Primeiramente, foi constatado que nenhuma busca preliminar garante 100% de segurança ao cliente que procura o registro de uma marca no INPI.

Como as atualizações sobre o registro de marcas é feita todas as semanas, também concluiu-se que era necessário criar um sistema que facilitasse uma busca preliminar de marcas rigorosa. Pensando em oferecer uma tecnologia que tornasse esse processo mais rápido, dinâmico e com uma busca preliminar sempre atualizada, a Alkasoft investiu no Siga Sua Marca.

O Siga Sua Marca analisa os dados da RPI (Revista da Propriedade Industrial), que são publicados semanalmente. O sistema realiza buscas de marcas nos dados da RPI no intuito de que o cliente possa verificar a disponibilidade de uma determinada marca. Essa busca preliminar, feita de forma constante, visa facilitar o registro da marca.

O monitoramento das marcas procura identificar possíveis colidências. Com isso, o cliente que busca o registro de marcas pode se defender através de um processo de oposição, caso seja necessário.

Além disso, o Siga Sua Marca faz o monitoramento dos despachos dos processos. Dessa maneira, o seu cliente é informado sobre os trâmites desses processos – seja de registro de marca, de oposição, entre outros inerentes à gestão de marcas.

Uma das facilidades do software da Alkasoft é que os clientes do seu escritório podem consultar os despachos do Siga Sua Marca via sistema, e-mail e/ou mensagem SMS.

Conheça as principais funcionalidades do Siga Sua Marca

– Monitoramento de Marcas

Essa funcionalidade faz o monitoramento contínuo da RPI de Marcas para constatar processos colidentes em relação à marca que está em processo de registro ou que seu cliente deseja registrar.

– Monitoramento de Palavras-Chave

Através da busca por palavras-chave, o Siga Sua Marca identifica pedidos e registros de marcas colidentes.

– Monitoramento de Processos

Essa funcionalidade tem o objetivo de monitorar os despachos envolvendo o registro de marcas no RPI de Marcas.

– Pesquisas na Base de Marcas

Existe uma base de marcas com mais de dois milhões de marcas cadastradas. Essas informações ficam disponíveis 24 horas para pesquisa através do sistema Siga Sua Marca.

– Cadastro de Usuários

Em relação ao cadastro dos assinantes, não existe limite para o número de usuários do sistema da Alkasoft.

Confira quais são os 3 principais benefícios do Siga Sua Marca

1. Tempo

O cliente do seu escritório economiza bastante tempo ao obter um ranking de colidência das marcas. Ao acessar essa informação, restará a ele apenas uma análise sobre as colidências mais significativas.

Clientes que levavam em torno de dois dias analisando colidências com as principais ferramentas do mercado passaram a fazer o mesmo trabalho, com o Siga Sua Marca, em menos de 1 hora.

No caso das buscas preliminares, este se torna um processo instantâneo, o que facilita consideravelmente o resultado desse processo.

2. Segurança

Quando a conferência de marcas colidentes é feita de forma individual por um profissional especializado, existe o risco de algo ser perdido nesse processo. Mas esse risco é eliminado com a utilização do Siga Sua Marca, que não perde nenhuma colidência e agiliza esse processo ao torná-lo automatizado.

3. Qualidade do atendimento

O Siga Sua Marca proporciona um atendimento diferenciado para o cliente do seu escritório, uma vez que você e os seus profissionais podem gerar relatórios por marca. Nesses relatórios, fica fácil identificar as marcas mais parecidas com as do seu cliente, tornando o processo mais transparente e confiável.

O maior diferencial do sistema Siga Sua Marca

Com o Siga Sua Marca, o registro para monitoramento das marcas é feito praticamente de forma automática, enquanto que com outros produtos do mercado é necessário um investimento de tempo para o registro dessas marcas e seus atributos, para que os sistemas possam fazer a busca. Utilizando o Siga Sua Marca, basta registrar a marca que será monitorada e a solução da Alkasoft faz o resto.

Além do tempo que é economizado, o Siga Sua Marca proporciona mais segurança para esse processo porque algumas variações podem passar despercebidas quando o cadastro é feito manualmente. Outra vantagem do sistema da Alkasoft é que o motor de busca de marcas é bastante inovador e preciso, unindo algoritmos de inteligência artificial e a lógica fuzzy.

“Para que um escritório de propriedade intelectual preste um serviço de qualidade aos seus clientes e se mantenha escalável (com possibilidade de crescimento, sem aumentar seus custos na mesma proporção), é necessário uma ferramenta como o Siga Sua Marca. De outra forma, ou você não monitora marcas colidentes, pecando na qualidade dos serviços prestados e perdendo oportunidades de negócio, ou você aumenta os seus custos conforme a carteira de clientes for aumentando”, explica Fernando Maurilio Bento, gerente executivo da Alkasoft.

 

O processo de registro de marcas envolve um procedimento burocrático, demorado e meticuloso. Por isso, ao trabalhar com muitos processos paralelamente, é fundamental não dispensar a ajuda da tecnologia para realizar a análise de dados automatizada, otimizando e agilizando os seus procedimentos de registro.

A partir do momento em que o advogado entra com um processo de registro de marcas, o acompanhamento constante das publicações na Revista de Propriedade Intelectual (RPI) é imprescindível para que o responsável por aquele registro não perca nenhum despacho do processo ou deixe passar alguma colidência entre marcas.

Como o Siga Sua Marca faz a análise de dados da base de informações da RPI

A revista do INPI é publicada semanalmente. Ela pode ser monitorada por softwares, como o Siga Sua Marca, que usam análise de dados para analisar as publicações do INPI. Com isso, o seu escritório consegue automatizar o processo de monitoramento de marcas, palavras-chaves, andamento dos processos, entre outros pontos relevantes para o registro e o monitoramento das suas marcas.

Comercializado pela Alkasoft – empresa que há mais de 20 anos investe na pesquisa e no desenvolvimento de soluções tecnológicas aplicáveis à área jurídica –, o Siga Sua Marca trabalha com um robô de busca que faz a pesquisa dos algoritmos na RPI. Através dessa pesquisa, o robô do software identifica possíveis marcas colidentes com as que foram cadastradas e notifica o contratante via e-mail ou SMS sem nenhum custo adicional.

Como a RPI é a responsável pela divulgação dos últimos pedidos de marcas no mercado brasileiro, as suas atualizações impactam diretamente nas marcas existentes, principalmente quando se trata de marcas colidentes.

Os principais ganhos na análise de dados feita pelo Siga Sua Marca

O software Siga Sua Marca possibilita a extração e a análise dos dados publicados semanalmente na RPI. Ou seja, ele monitora todas as informações que são divulgadas por meio da revista do INPI de forma constante e automatizada.

Como funcionalidade extra, o sistema da Alkasoft permite que seja realizada a Busca Preliminar na base da RPI antes de definir qual será o pedido da marca. Essa funcionalidade pode ser implementada no site do contratante por um valor adicional.

Essa ferramenta também permite que a sua empresa identifique potenciais oportunidades de negócios através dos relatórios gerados internamente sobre as pesquisas de marcas realizadas por terceiros na sua página da internet.

É possível, ainda, cadastrar mais de um usuário para acessar o sistema simultaneamente.

Contar com a extração e a análise de dados a partir do software Siga Sua Marca é vantajoso, na prática, pois esse processo ajuda você a trabalhar com antecipação. Para os escritórios de advocacia, garantir a agilidade na tomada de decisão e apresentar relatórios completos ao cliente são os principais ganhos do uso do software da Alkasoft.

No mercado, você pode encontrar outras ferramentas que verificam e disponibilizam os pedidos semanais de registro de marcas, mas apenas com o Siga Sua Marca é possível analisar o histórico de pedidos considerando o grau de relevância dos termos dependentes e independentes.

Quer ver a análise de dados do Siga Sua Marca funcionando? Então peça uma demonstração gratuita do nosso software ou entre em contato conosco!

 

Apesar de todo rigor necessário durante o trâmite para registrar uma marca no Brasil, todos os profissionais que lidam diariamente com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sabem como a burocracia também pode atrapalhar esse processo.

Para conseguir registrar uma marca no País, algumas medidas são exigidas e muitos documentos são solicitados. Além disso, é necessário fazer o pagamento de taxas e o acompanhamento do processo ao longo do tempo, o que faz com que o prazo médio de conclusão de um pedido de registro varie entre 2 e 4 anos.

Mas por que registrar marca é um processo tão burocrático?

O principal entrave no andamento dos processos para uma empresa registrar sua marca é a quantidade de empresas em espera na fila. De acordo com o Boletim Mensal de Propriedade Industrial, divulgado pela Assessoria de Assuntos Econômicos da Diretoria Executiva do INPI em outubro de 2018, os depósitos acumulados de marcas no período de outubro de 2017 até setembro de 2018 totalizaram 201.246, o que corresponde a um aumento de 12,6% sobre o período anterior – quando esse número era de 178.688.

Ainda segundo o documento do INPI, esse indicador de depósitos acumulados de pedidos de marcas apresenta alta desde novembro de 2015, “puxada pelas marcas de produtos e, principalmente, pelas marcas de serviços – em conjunto estes dois tipos de marcas correspondem a 99% dos depósitos”.

Apenas no período entre janeiro e setembro de 2018, foram depositados 152.400 pedidos de marcas no Brasil. Fazem parte desse número 90.996 marcas de serviços (59,7% do total), 59.866 marcas de produtos (39,3%), 1.200 marcas coletivas (0,8%) e 338 marcas de certificação (0,2%). Durante esse período, conforme o relatório do INPI, depositantes de 107 países solicitaram proteção para as suas marcas.

O órgão recebe demandas dos mais variados tipos de registros diariamente, ligados a registros não só de marca, mas também de franquias, desenhos industriais, softwares, entre outros. Por isso, é necessário um trabalho técnico, o qual envolve análises específicas e que precisam ser bem feitas.

Porém, a contratação de novos profissionais é baixa e não atende às demandas: abrem-se cerca de 100 vagas por concurso a cada dois anos, em média. Além disso, às vezes as contratações não são para todas as áreas e não é possível realocar alguém de marcas para trabalhar com patentes, por exemplo.

Ou seja, a procura que o INPI recebe sobre os mais variados tipos de registros e análises não corresponde à quantidade de profissionais atuantes. Fora esse problema, é importante considerar que o próprio processo de registro de marca é algo bastante complexo.

Como é possível otimizar o processo para registrar marca?

Apesar de o processo de registrar marca exigir cuidado e meticulosidade em suas análises, muitos trâmites demoram ainda mais por causa de erros cometidos no encaminhamento dos pedidos ou durante o acompanhamento dos processos.

Por causa disso, o acompanhamento constante do processo de registro de marca é fundamental para que você não perca nenhuma publicação ou prazo – lembrando que essas são variáveis fundamentais para quem busca a maior agilidade possível no registro de marcas.

Para oferecer um atendimento ao cliente diferenciado, também é importante estar atento às palavras-chaves referentes à marca monitorada. Com isso, o seu escritório vai conseguir evitar que surjam colidências.

Para atingir esse objetivo, a tecnologia pode atuar como uma excelente ferramenta para que o seu escritório consiga agilizar todas as etapas de registro de marca. Softwares especializados como o Siga Sua Marca contam com algoritmos que comparam todas as marcas e apontam as colidências entre elas.

Isso torna o processo de monitoramento e de mapeamento de marcas mais simples e prático. Caso surja algum avanço, o responsável recebe uma notificação por e-mail ou por SMS.

Comercializado pela Alkasoft, o Siga Sua Marca foi criado para otimizar as demandas de um escritório especializado no registro de marcas. A nossa solução ajuda a organizar os processos e a garantir a excelência no atendimento, refletindo na produtividade e na melhoria da qualidade do trabalho.

Confira o que a melhor solução do mercado em registrar marca com agilidade e qualidade, o Siga Sua Marca, é capaz de oferecer:

1. Realizar pesquisas por palavras-chaves:

Essa funcionalidade é utilizada para detectar pedidos de registros de marcas colidentes com as que estão sendo mapeadas pelo seu escritório. A pesquisa de palavras-chaves é feita em uma base de dados com mais de 2 milhões de cadastros e diversas opções de filtros avançados.

2. Monitoramento de processos:

Através do sistema da Alkasoft é possível verificar todas as publicações registradas na RPI de marcas. Quando algum avanço ocorre, o usuário é notificado por SMS ou por e-mail.

3. Monitoramento da marca após a conclusão do processo:

Com essa funcionalidade do Siga Sua Marca é possível identificar possíveis casos de plágio da marca que foi registrada pelo seu escritório.

O software Siga Sua Marca foi desenvolvido com tecnologia de ponta e inovadora, visando facilitar o processo de registro de marcas por meio da análise de relatórios de colidências. Para saber mais, solicite uma demonstração gratuita e confira, na prática, todas as funcionalidades do sistema comercializado pela Alkasoft.

 

Aplicado para identificar a origem de produtos e serviços, à medida que um determinado local tenha se transformado em referência na sua produção, o selo de identificação das Indicações Geográficas (IG) alcançou grande visibilidade nos últimos anos. Essa diferenciação, que chamou a atenção de empresas e produtores rurais, também incrementa as demandas dos escritórios de advocacia, sobretudo daqueles especializados na gestão de marcas e patentes.

A demanda por identificação e certificação de produtos com Indicações Geográficas e Marcas Coletivas é uma realidade em todo o planeta, especialmente no setor agropecuário, potencializando localidades e as suas manufaturas e proporcionando visibilidade e reputação além-fronteiras.

Países de vanguarda na busca por selos de Indicações Geográficas

A história envolvendo as Indicações Geográficas é antiga, como aponta Joana de Moura Leitão Barros Oliveira na tese “Denominações de Origem e Indicações Geográficas – protecção e impacto socioeconômico”, apresentada na Pós-Graduação em Economia e Gestão de Propriedade Industrial do ISEG (Instituto Superior de Economia e Gestão) e disponível através deste link.

Segundo a autora, a “Europa foi, desde sempre, um campo fértil de produtos tradicionais com as características de DO/IG (Denominações de Origem e Indicações Geográficas), como sejam, Roquefort, Champagne, Sherry, Chianti, Queijo Serra da Estrela, Parmigiano Reggiano, Prosciutto di Parma, Habanos, Tequila”. Mas Joana de Moura observa que “Portugal foi o primeiro dos países europeus a instituir legalmente um sistema de proteção de uma DO, mais concretamente o Vinho do Porto, em 1756”.

Por causa disso, quando tratamos da história das Indicações Geográficas, um dos exemplos de grande relevância está na Região do Douro, no norte de Portugal, onde são cultivadas com exclusividade as uvas que originam o vinho do Porto, um ícone da viticultura internacional. Da mesma forma que os portugueses, italianos e franceses também foram pioneiros nesse processo, fomentando a fama de suas mercadorias e zonas de produção.

Indicações Geográficas: conheça o histórico nacional

No Brasil, a importância das Indicações Geográficas foi materializada a partir da promulgação da Lei de Propriedade Industrial – Lei n.º 9.279 –, de 14 de maio de 1996. Essa legislação passou a ser um instrumento vital para empreendedores e produtores rurais garantirem a proteção das atividades econômicas regionais.

Minas Gerais, mais especificamente a Serra da Canastra, com seus queijos únicos, e a cidade de Salinas, reconhecida pelas suas cachaças, são dois exemplos nacionais que comprovam a pertinência da identificação das Indicações Geográficas nos planos de expansão econômica em localidades predeterminadas.

Em ambos os casos, a Indicação de Procedência foi determinante para a consolidação e visibilidade dos produtos locais, evitando fraudes, abusos e falsificações.

O que diz a legislação brasileira sobre as Indicações Geográficas

Braço do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) é o órgão competente para instituir os registros de marcas e patentes em todo o País. Assim, é da competência dele a restrição de áreas específicas e a delimitação do uso do selo das Indicações Geográficas a outros profissionais e regiões não produtivas de um determinado coletivo específico.

A regulação brasileira sobre as Indicações Geográficas foi institucionalizada através da Instrução Normativa nº 25/INPI/2013. De acordo com a legislação, o pedido de registro de Indicação de Procedência deverá conter três aspectos fundamentais:

  1. Documentos que comprovem ter o nome geográfico se tornado conhecido como centro de extração, produção ou fabricação do produto ou de prestação de serviço;
  2. Documento que comprove a existência de uma estrutura de controle sobre os produtores ou prestadores de serviços que tenham o direito ao uso exclusivo da Indicação de Procedência, bem como sobre o produto ou a prestação do serviço distinguido com a Indicação de Procedência;
  3. Documento que comprove estarem os produtores ou prestadores de serviços estabelecidos na área geográfica demarcada e exercendo, efetivamente, as atividades de produção ou prestação do serviço.

Modalidades de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas

As Indicações Geográficas são categorizadas em dois grupos: Denominação de Origem (DO) e Indicação de Procedência (IP). A primeira é atribuída ao nome de um país ou de uma região específica reconhecida como um centro de extração/produção de um determinado artefato ou que seja um prestador de serviço.

A segunda classificação identifica uma nação, município ou região caracterizado especificamente pelo seu meio geográfico, compreendendo agentes naturais e humanos. Com essa subdivisão, até 2018 já haviam sido registradas 67 Indicações Geográficas em todo o Brasil, sendo 49 delas categorizadas como Indicações de Procedência e 18 como Denominações de Origem.

A busca por esse diferencial tem a ver com o fato de as Indicações Geográficas terem se tornado um instrumento de garantia para os produtores e o público consumidor, uma vez que elas comprovam se determinado produto é genuíno, com peculiaridades próprias e ligadas, de forma intrínseca, à sua origem.

Diante de práticas de mercado cada vez mais globalizadas, é fundamental que marcas e regiões produtivas se atentem à necessidade de proteger as características que fazem seus produtos exclusivos, agregando valor, gerando riqueza e contribuindo para o desenvolvimento das potencialidades econômicas regionais.

Em relação às Marcas Coletivas, de acordo com uma notícia publicada no portal do INPI em julho de 2017, o “instituto recebe, em média, 900 pedidos de marcas coletivas por ano”. Ainda segundo o próprio instituto, estas só podem ser requeridas “por pessoas jurídicas que representam uma coletividade, como associações de produtores e cooperativa”.

 

Gerenciar adequadamente todos os processos de registro de marcas, dependendo da sua demanda, é uma tarefa bastante desafiadora. Acompanhar cada processo e não deixar passar nenhuma colidência é algo complicado de se fazer se você não contar com um software específico para isso. A dificuldade na gestão de marcas reside na quantidade de etapas e nos respectivos prazos que o processo de registro exige.

Descuidar-se da gestão de marcas, em qualquer etapa do processo, é muito prejudicial para a agilidade e, consequentemente, para a qualidade do trabalho. Além disso, qualquer imprudência pode trazer prejuízos jurídicos envolvendo a marca em questão, tanto por estarem copiando a marca do seu cliente quanto por uma possível impossibilidade na busca pelo registro da marca existente. Confira, a seguir, três disputas travadas nesse campo da gestão de marcas.

3 casos que mostram a importância de fazer uma boa gestão de marcas

As etapas para acompanhar e gerenciar uma marca são muitas e pode ser complicado administrá-las diariamente de maneira manual. Isso porque, mesmo após a conclusão de um processo de gestão de marcas, é importante acompanhar frequentemente os pedidos publicados junto ao INPI para evitar colidências.

Nessa fase, a assessoria e/ou o proprietário da marca devem estar atentos aos pedidos semelhantes à sua marca para garantir que eles não violem a legislação vigente. A partir desse acompanhamento, feito de perto, é possível entrar em tempo com ações cabíveis para garantir a legitimidade e segurança da sua marca.

A gestão de marcas já rendeu no Brasil e em outros países inúmeros litígios em torno desse assunto.

Conheça algumas dessas histórias famosas:

1. Steve Jobs: marca de roupa?

Em 2012, uma empresa de roupas italiana registrou a sua marca: Steve Jobs. Para os donos da nova marca, essa era uma forma de homenagear o empreendedor americano conhecido pelo seu trabalho na Apple e que servia de fonte de inspiração para eles.

Mas a homenagem não passou despercebida e sem contestações por muito tempo. A Apple entrou com um processo para revogar o registro da nova marca de roupas. Nesse caso específico, o logotipo também incomodou: segundo a Apple, a marca de roupas usou uma maçã muito parecida com a utilizada pela marca americana de tecnologia. Na verdade, a marca de roupas Steve Jobs produziu um logo com um jota (J) estilizado com uma mordida na lateral e uma folha no topo, claramente “inspirados” na icônica maçã da Apple.

O juiz italiano responsável pelo caso, no entanto, deu causa ganha para os sócios italianos, que passaram a ter plenos direitos legais em utilizar a marca e o logo que eles registraram. Segundo esta reportagem do site TecMundo, o juiz entendeu que a “letra jota não é um elemento comestível e, portanto, o recorte na lateral não poderia ser uma mordida”. Dessa maneira, comenta a reportagem, a marca italiana não estaria infringindo a propriedade comercial da empresa norte-americana.

2. A história da disputa da Legião Urbana

A banda Legião Urbana não registrou a sua marca no início da carreira. Depois de lançar o álbum “Dois”, outra pessoa solicitou o registro do nome no INPI procurando, caso tivesse êxito, cobrar o direito de uso do nome Legião Urbana da banda.

Naquela ocasião, a banda recorreu desse registro alegando a popularidade e o renome que o grupo tinha conquistado. Em 1987, segundo o artigo de Luciano Andrade Pinheiro, publicado no site Migalhas, a marca Legião Urbana foi depositada em nome da Legião Urbana Produções Artísticas Ltda., que, inicialmente, tinha como sócios os quatro integrantes originais da banda – Renato Russo, Marcelo Bonfá, Dado Villa-Lobos e Renato Rocha.

Mas as disputas envolvendo a marca não terminaram quando a Legião Urbana Produções Artísticas Ltda. ganhou a causa. Segundo Pinheiro, com o passar do tempo, apenas Renato Russo “permaneceu no quadro societário” como titular da marca. Com a morte de Renato Russo, em 1996, a empresa Legião Urbana Produções Artística Ltda. passou para a administração da família dele.

Então começou uma nova batalha jurídica envolvendo a marca Legião Urbana, já que Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos passaram a relatar dificuldades “no exercício de suas atividades profissionais e uma série de empecilhos para a utilização do nome” Legião Urbana. Em julho de 2013, segundo esta notícia do jornal O Globo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá conseguiram o direito de usar a marca Legião Urbana.

3. Johnnie Walker versus João Andante

Outro exemplo de batalha judicial envolvendo o registro e a gestão de marcas é o caso aberto em 2011 pela empresa dona da marca Johnnie Walker contra uma empresa mineira de aguardente, a João Andante.

O objetivo do processo era solicitar a revisão da marca concedida em 2010 para a João Andante alegando plágio baseado na tradução da palavra “walker”, que significa andante ou andador.

Sendo assim, “João Andante” seria uma tradução literal da marca estrangeira, alegou a empresa Johnnie Walker. Além disso, a companhia ainda questionava o rótulo da marca brasileira, que trazia a mesma característica do logo da empresa norte-americana, ou seja, um homem andando.

Depois do processo aberto pela empresa Johnnie Walker, o INPI suspendeu o registro da marca João Andante e a empresa brasileira decidiu alterar seu nome para “O Andante”, além de mudar a ilustração original do rótulo da bebida.

Gestão de marcas: como a tecnologia pode ajudar e evitar problemas judiciais

Diante dos casos que comentamos – e existem vários outros famosos envolvendo a gestão de marcas –, podemos concluir que esses processos envolvem uma grande complexidade. Para evitar problemas, o melhor caminho é utilizar meios que facilitem o acompanhamento das marcas com as quais o seu escritório trabalha. Nesse sentido, a tecnologia pode e deve ser utilizada como atenuante dos principais gargalos da gestão de marcas, otimizando e dando segurança para todo esse processo.

Para acompanhar constantemente as publicações envolvendo marcas na RPI em busca de encontrar pedidos de marcas colidentes com aquelas que você gerencia, é fundamental contar com o recurso da automatização. Usar softwares especializados como o Siga Sua Marca é um recurso importante para não deixar passar nada.

Esses sistemas especializados no registro de marcas são muito funcionais porque, ao escolher quais marcas o seu escritório deseja monitorar, você passa a receber por SMS ou e-mail notificações sobre as publicações ou quaisquer registros que envolvam essas marcas.

Essa pesquisa e monitoramento também é fundamental antes mesmo de o seu escritório iniciar um processo de registro de marcas. Verificar se a marca desejada já não está em processo de registro ou se ela já foi registrada economiza muito o tempo do advogado e do cliente.

O que você achou sobre os cases apresentados? Encontre outras leituras sobre gestão de marcas em nosso blog.

 

O Protocolo de Madri é um tratado internacional para o registro de marcas, criado em 1989, que possibilita aos titulares contarem com a proteção de suas marcas em vários países. Para isso, basta realizar um depósito junto ao escritório de registro de seu país, o que também agiliza o registro da marca.

Esse protocolo é debatido no Brasil como alternativa para a simplificação do processo burocrático de registro de marcas, a economia pela adoção desse padrão internacional e a facilidade para a gestão das marcas. Dados divulgados durante o congresso da Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), em agosto de 2018, informam que o Sistema de Madri abrange 121 países. Esse grupo é detentor de 80% do comércio global. No total, são mais de 206 mil titulares de marcas, sendo que 79% têm apenas um ou dois registros.

Por que o Protocolo de Madri poderá ajudar o empreendedorismo no Brasil

A adesão ao Protocolo de Madri está entre as quatro medidas recomendadas para o Brasil empreender mais pela Endeavor, organização mundial de fomento ao empreendedorismo. As recomendações fazem parte de uma pesquisa feita pela organização, que conta com pouco mais de 25 mil empreendedores no Brasil em 2018.

A recomendação para que o País adote o Protocolo de Madri se justifica pela demora de até 10 anos para se obter uma concessão no Brasil, ante uma média menor do que de dois anos na China. Em um ambiente de negócio voltado à inovação, muitos brasileiros realizam os seus registros de marca inicialmente fora do País, dada a agilidade no processo e o temor de que as ideias sejam logo copiadas.

Na avaliação da Endeavor, com a adesão ao Protocolo de Madri, esses empreendedores poderão centralizar os procedimentos de proteção de suas marcas no exterior, reduzindo custos para o Brasil e acelerando os processos de análise. Essa medida é proposta juntamente com a automatização e a otimização dos processos do INPI, o que também contribuiria para reduzir o tempo de concessão dos registros no Brasil.

Brasil discute adaptações para integrar a lista de países do Protocolo de Madri

O Brasil estuda aderir ao Protocolo de Madri até o final de 2018. Essa é a previsão para que sejam concluídas as adequações previstas pela Secretaria de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

A estimativa levantada por especialistas em marcas e patentes é de que a adesão ao Protocolo de Madri poderá representar um crescimento de 3% no número de pedidos de marcas no Brasil. Esse crescimento resultaria em uma geração de receita adicional para o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) de cerca de US$ 1,3 milhão.

A previsão do INPI é que, com o projeto de adequação da estrutura do instituto em curso, o prazo de registro de marcas no Brasil em 2019 passará dos 25 meses registrados – em média, até 2018, para marcas sem oposição – para 18 meses. Com as mudanças previstas, o INPI terá condições de receber pedidos internacionais via Protocolo de Madri, o que facilitará a internacionalização de diversas marcas de empresas brasileiras.

Vantagens do Protocolo de Madri em relação a processos, custos e abrangência das marcas

Entre as vantagens comumente apontadas sobre a adesão do Brasil ao Protocolo de Madri, mostram-se benefícios de ordem econômica, processual e relativas à internacionalização de marcas.

Confira algumas das principais vantagens que o Brasil teria ao aderir a esse protocolo:

  • Redução de prazo de dois anos para um ano e meio (18 meses) para o titular alcançar o exame de mérito junto ao INPI, o que aceleraria o processo e também aumentaria a previsibilidade sobre a aprovação para o titular do pedido;
  • Ingresso do Brasil em um tratado que facilita o acesso a grandes mercados para estimular as exportações, ampliando a competitividade em um mercado globalizado;
  • Redução dos custos do processo de registro de marcas no exterior, beneficiando o avanço das exportações entre pequenas e médias empresas brasileiras;
  • Simplificação do registro em muitos países pela formulação de um só pedido, além da necessidade de pagar uma única taxa para esse processo;
  • Otimização do tempo de registro, que não precisaria mais ser feito em jurisdições diferentes, com traduções para idiomas locais e a contratação de procuradores constituídos em cada um dos países em que a empresa tem interesse;
  • Registro internacional válido por 10 anos, com renovação permitida pelo mesmo período múltiplas vezes. Após cinco anos, independência em relação ao registro no país de origem.

Desvantagens relacionadas à constitucionalidade do Protocolo de Madri

Como desvantagens para a adesão do Brasil ao Protocolo de Madri, apresentam-se alguns argumentos especializados sobre a sua incompatibilidade com a constituição brasileira. Um dos motivos para essa interpretação de inconstitucionalidade seria um tratamento desigual para as demandas de brasileiros e estrangeiros.

Como a adoção ao protocolo obrigará o INPI a fazer análises em até 18 meses para pedidos feitos via sistema internacional, a inexistência de prazos previstos na lei brasileira geraria uma duplicidade de regimes e a comentada desigualdade de tratamento.

Em outras palavras, a extensão da proteção internacional de uma marca para o Brasil terá que ser processada em menos de dois anos e o pedido feito originalmente no País continuará sem previsão de prazo para registro.

Por essa razão, algumas entidades, como a ABPI, se posicionaram sobre o tema. A ABPI marcou posição sobre os ajustes técnicos necessários no INPI e defendeu, também, alterações na Lei de Propriedade Industrial brasileira (Lei n.º 9.279/96).

Os pedidos de mudança feitos pela entidade englobam a regulação do prazo máximo para o exame de pedido de marca pelo INPI, a obrigatoriedade de manutenção de um procurador no Brasil para os titulares e a disponibilização, em português, da lista de produtos ou serviços assinalados pela marca que é depositada no Brasil.

Uma vez que o Brasil aderir ao Protocolo de Madri, após essa decisão passar pelo Congresso Nacional – onde a proposta está em trâmite, antes de seguir para o Senado –, as marcas registradas no País poderão solicitar proteção em quaisquer países integrantes do acordo internacional. O titular da marca, então, deverá apenas indicar em quais dos 121 países pretende que o registro internacional tenha validade.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe nas suas redes sociais! E se você se interessa pelo assunto de registro de marcas, leia outros conteúdos relacionados aqui no nosso blog e conheça o Siga Sua Marca, sistema criado para agilizar esses processos no seu escritório. Aproveite para pedir uma demonstração gratuita do nosso produto!

 

Como registrar uma marca com maior agilidade é uma das questões mais frequentes em escritórios de advocacia que trabalham diretamente com esse serviço. Para que uma marca seja registrada no Brasil, leva-se até 4 anos entre processos burocráticos que envolvem muitos trâmites, documentos e necessidade de acompanhamento frequente das atualizações sobre o pedido.

Ao trabalhar com um grande volume de casos, fazer o controle manual é muito mais caro para o escritório, além de ineficaz e suscetível ao erro. Fora isso, esse controle manual pode resultar em uma demora ainda maior para a conclusão dos procedimentos legais. Assim, para que uma empresa especializada consiga registrar e acompanhar o processo de registro de marca com agilidade, a implantação de tecnologia nesse processo será fundamental. Com um software especializado, por exemplo, você diminui esforços, aumenta a qualidade do trabalho e simplifica o registro de uma marca.

Como registrar uma marca facilmente com a ajuda da tecnologia

As novas tecnologias estão sendo utilizadas por todos os setores e segmentos da economia como aliadas para o aumento da produtividade e da eficiência das empresas. No caso dos escritórios de registro de marcas, isso não é diferente.

Para os escritórios que buscam maneiras de registrar uma marca com mais agilidade e eficiência, a tecnologia funciona como uma ferramenta muito eficaz. Entre outros benefícios, podemos destacar três facilidades trazidas pela tecnologia para esses processos:

1. Ao dar entrada no processo

Sempre que um escritório especializado inicia um processo de registro de marca, é recomendado que ele pesquise se já não está em andamento algum outro caso semelhante. Afinal, não convém entrar com um processo de registro de marca se ela não está mais disponível, não é mesmo?

Essa pesquisa não é obrigatória, mas é recomendada e está disponível no site do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), o órgão oficial de registro de marcas no Brasil. Todavia, fazer essa pesquisa manualmente, especialmente com um grande volume de processos de registro em andamento, pode consumir muito tempo e recursos e até mostrar-se inviável para um escritório que deseja crescer.

Para ajudar nesse processo, foram criados softwares especializados que possuem essa função automatizada. Utilizando uma grande base de dados, filtros avançados de pesquisa e outros recursos, esses softwares são capazes de agilizar essa etapa.

2. Na fase de acompanhamento do processo

Depois de dar entrada no processo de registro de uma marca, o escritório especializado nesses processos precisa monitorar frequentemente os avanços publicados na RPI (Revista de Propriedade Industrial) referentes ao registro que está em andamento.

Esse acompanhamento é muito importante também para que o escritório não perca nenhum prazo e, caso isso aconteça, acabe atrasando o processo de registro da marca. Fazer o acompanhamento de diversos processos de forma manual é complicado, exige muito tempo e pode resultar em erros ou na perda de prazos.

Com a ajuda da tecnologia, essa etapa de monitoramento pode ser automatizada. Dessa forma, o seu escritório passa a ser notificado, por SMS ou por e-mail quando algum avanço no processo de registro de marcas for publicado na RPI.

3. Monitoramento constante

Após concluir o processo de registro de uma marca, muitos clientes optam por ter uma assessoria jurídica que garanta a segurança desse registro. Ao oferecer o serviço de monitoramento da marca dos seus clientes, o seu escritório diferencia-se dos concorrentes e pode ganhar mercado por causa desse diferencial.

Um software especializado no registro de marcas é capaz de rastrear palavras-chaves a fim de encontrar pedidos e registros de marcas colidentes com aquelas que estão sendo monitoradas. Quando alguma semelhança for detectada, as pessoas cadastradas recebem uma notificação automática, por e-mail ou por SMS, avisando da ocorrência. Assim, as medidas cabíveis podem ser tomadas a tempo e com agilidade.

A tecnologia pode acelerar – e muito – o processo de registro de uma marca. Além de trazer mais rapidez, softwares especializados garantem um atendimento melhor, o que poderá dar maior visibilidade para o trabalho do seu escritório.

Pensando em tudo isso, a Alkasoft desenvolveu a solução Siga Sua Marca, um software que garante todos esses recursos e funcionalidades. Para conhecer nossa tecnologia, desenvolvida para tornar mais fácil o registro de uma marca, solicite uma demonstração gratuita do Siga Sua Marca.

 

Os processos para registro de marca no Brasil enfrentam muitos trâmites e a consequência inevitável disso é que esses processos costumam ser lentos. Diariamente, entram na fila, procurando por um registro de marca, diversas empresas. Esse aumento diário do volume de processos que precisam ser avaliados pelo INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) torna o registro de marca um desafio para o País.

De acordo com uma reportagem do portal G1, o Brasil fechou o ano de 2016 com 422 mil marcas aguardando análise de registro pelo INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) – volume que tem se mantido constante, com pouca redução, nos últimos anos. Quem trabalha diretamente com o registro de marca conhece bem o desafio de se dedicar a um processo longo e detalhista como esse. Por isso, é muito importante investir em opções que dinamizam e facilitam esse trabalho, automatizando processos e minimizando erros.

Como o meu escritório pode ganhar tempo no processo de registro de marca?

Depois de entrar com um processo de registro de marca, o seu escritório precisa fazer o acompanhamento do caso de forma constante. Algo fundamental para o êxito de um processo de registro de marca é que você não perca nenhum avanço ou prazo.

A demora na localização de uma atualização no processo de registro de marca pode fazer com que você perca agilidade nesse processo. Além disso, nas etapas seguintes do atendimento ao seu cliente, será importante acompanhar as palavras-chaves relacionadas à marca mapeada para averiguar se não surgiu alguma colidência.

Para agilizar todas as etapas de registro de marca, a tecnologia aparece como uma ferramenta fundamental. Um software especificamente desenvolvido para gerenciar essas atividades serve como um excelente instrumento para enfrentar mais facilmente os principais desafios desse processo.

Esses sistemas contam com algoritmos que comparam todas as marcas e apontam as colidências entre elas. Isso torna o processo mais simples e prático, facilitando o monitoramento e o mapeamento da marca e o responsável recebendo uma notificação, por e-mail ou por SMS, quando ocorrer alguma eventualidade.

Pensando em oferecer uma solução completa nesse sentido, a Alkasoft desenvolveu o software Siga Sua Marca. Com ele, todo o processo de registro de marca se torna automatizado. A solução da Alkasoft é capaz de:

  1. Realizar pesquisas por palavras-chaves: essa funcionalidade é utilizada para detectar pedidos de registros de marcas colidentes com as que estão sendo mapeadas pelo seu escritório.
  2. Monitorar também os processos, verificando todas as publicações registradas na RPI de marcas. Quando algum avanço ocorre, o usuário é notificado por SMS ou por e-mail.
  3. Monitorar a marca depois que o processo foi concluído – assim é possível identificar possíveis casos de plágio.
  4. Pesquisar palavras-chaves em uma base de dados com mais de 2 milhões de cadastros e diversas opções de filtros avançados.

O software Siga Sua Marca foi desenvolvido com tecnologia de ponta e inovadora, com o objetivo de facilitar o processo de registro de marcas por meio da análise de relatórios de colidências. Para saber mais, solicite uma demonstração gratuita e confira, na prática, todas as funcionalidades do nosso sistema.

 

Encontrar nomes para empresas parece ser algo simples, mas não é. Isso porque, muitas vezes, os empresários escolhem um nome que parece ser o ideal e, a partir disso, já começam a elaborar uma identidade visual, criar site e perfis em redes sociais. No entanto, esquecem de algo muito importante: checar junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) se realmente será possível registrar o nome pretendido.

No entanto, fazer essa pesquisa nem sempre é fácil. Afinal, são dezenas de pedidos de registros solicitados todos os dias. Por isso, é preciso que haja um monitoramento constante por meio de palavras-chave – só assim é possível evitar colidências e, consequentemente, transtornos durante o processo de registro.

Como a tecnologia ajuda na escolha de nomes para empresas

Conforme comentamos antes, não é raro encontrar empreendedores que se dedicam a uma ideia, investem todo o seu recurso para colocá-la em prática e só então descobrem que não poderão explorar a marca criada porque já existe outra marca igual ou similar.

Diante disso, antes de qualquer coisa, o empresário que está buscando um nome para a sua empresa deve fazer uma pesquisa sobre as marcas já registradas (ou em processo de registro). Com o resultado dessa busca é possível descartar os nomes de empresas que já existem e ter uma facilidade maior de encontrar um que seja assertivo, ou seja, que tenha mais chances de ser aprovado pelo INPI.

A boa notícia para quem vai fazer essa busca é que a tecnologia pode ser a solução para evitar todos esses inconvenientes. Atualmente, já existem softwares capazes de fazer o monitoramento por palavras-chave, por exemplo.

Dessa maneira, se a sua rotina envolve pesquisar nomes para diversas empresas no site do INPI e garantir que não existem colidências em relação a marcas já registradas, esse software pode tornar o seu dia a dia muito mais prático, eficiente e livre de erros.

Afinal de contas, se por alguma desatenção você deixar passar algo relevante, as consequências – depois de já ter entrado com o pedido de registro – podem ser bastante incômodas e difíceis de serem contornadas. Já com um software especializado no monitoramento de marcas por meio de palavras-chave, tudo fica mais simples.

Monitore palavras-chave com o Siga Sua Marca

O Siga Sua Marca é um software, desenvolvido pela Alkasoft, que extrai e analisa os dados publicados semanalmente na Revista de Propriedade Intelectual (RPI). Com ele, você pode fazer o monitoramento de palavras-chave, que serve para detectar pedidos e registros de marcas colidentes com a palavra-chave que está sendo monitorada.

O diferencial desse serviço – e que pode trazer muitos ganhos aos empresários que buscam nomes para empresas – é que ele permite monitorar colidências a partir de quaisquer termos, Além disso, qualquer colidência encontrada é imediatamente notificada por e-mail ou SMS aos usuários.

Ou seja, é bastante útil quando o seu objetivo é monitorar uma marca em potencial que ainda não foi publicada na Revista de Propriedade Intelectual (RPI).

O software tem ainda diversas outras funcionalidades, como o Monitoramento de Marcas, que consiste no monitoramento constante da RPI de Marcas, no intuito de detectar colidências.

Há também a funcionalidade de Monitoramento de Processos. Em relação ao registro de marcas, é muito útil para evitar que você perca qualquer movimentação ou prazo e, assim, atrase o processo.

Por fim, ao implementar o Siga Sua Marca na sua rotina, você também pode fazer pesquisas na base de marcas. São mais de 2 milhões de marcas cadastradas, disponíveis 24h por dia para consulta. Essa base pode, inclusive, servir de inspiração para que você encontre nomes para empresas a partir de termos similares e da exclusão de marcas que já foram registradas e estão na sua lista de opções.

Se o seu trabalho envolve o constante monitoramento e registro de marcas, o Siga Sua Marca é a solução que você procura para tornar suas rotinas de trabalhos mais produtivas e assertivas!

Para saber mais sobre o Siga Sua Marca, solicite uma demonstração ou entre em contato conosco!

 

De acordo com o Relatório de Atividades do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), ao longo de 2017 foram registrados cerca de 185 mil novos pedidos de registros de marcas no País. Diante desse número expressivo, pode-se imaginar que fazer, de forma manual, a consulta INPI para monitorar marcas não é uma tarefa simples, não é mesmo?

Para se ter uma noção mais clara desse desafio, o número de processos pendentes para o registro de marcas foi de 358.776 em 2017. Esses números de processos aprovados e pendentes revelam que acompanhar essa quantidade enorme de informação, verificar colidências e não perder nenhuma movimentação nos seus processos de registro são atividades que devem ser automatizadas o quanto antes.

Siga Sua Marca: faça a sua consulta INPI de forma prática e eficiente

Atualmente – para o benefício das empresas que trabalham com a gestão de marcas –, já existem softwares capazes de fazer a consulta INPI de forma automatizada, o que agiliza o processo de monitoramento de marcas. Essas soluções permitem que você faça o monitoramento de maneira automática, rápida e livre de erros.

Entre as soluções do mercado, a mais completa é o Siga Sua Marca, software comercializado pela Alkasoft. Com ele, a consulta INPI feita de maneira manual irá ficar no passado da sua empresa.

Destinar um funcionário exclusivamente para monitorar um grande número de processos de registros, além de fazer com que o monitoramento de marcas esteja sujeito a falhas, faz com que a sua companhia perca a produtividade de um membro da equipe que poderia dedicar seu tempo para outras atividades.

Por outro lado, o Siga Sua Marca é um software que possibilita a extração e a análise dos dados publicados semanalmente. Ou seja, ele monitora todas as informações que são divulgadas por meio da Revista de Propriedade Intelectual (RPI) de forma constante.

Se o sistema detectar qualquer despacho em seu processo de registro ou colidência existentes em relação à sua marca, você é notificado imediatamente. Dessa forma, fica muito mais fácil tomar as medidas cabíveis previstas na lei para defender as marcas sob a sua responsabilidade, caso seja necessário.

Perder prazos ou detectar colidências quando já é tarde demais? Com o Siga Sua Marca você evita essas dores de cabeça desnecessárias!

Conheça mais funcionalidades do software Siga Sua Marca

O sistema comercializado pela Alkasoft permite que você faça o monitoramento constante de marcas de várias formas, conforme for mais interessante para você. Confira os principais recursos do Siga Sua Marca para fazer esse trabalho:

1. Monitoramento de Marcas

O monitoramento constante de marcas da Revista de Propriedade Intelectual (RPI) é, basicamente, tudo o que foi falado ao longo deste artigo. O objetivo da consulta INPI feita de forma automatizada é detectar pedidos e registros de marcas colidentes com a marca que você está monitorando de forma simples.

Quando qualquer colidência for encontrada, você é notificado, seja por e-mail ou por SMS, para que tome conhecimento desse fato e possa decidir quais as melhores providências a tomar em seguida para proteger a marca que está sendo monitorada.

2. Monitoramento de Palavras-chave

Uma outra forma de fazer a consulta INPI é através do recurso de Monitoramento de Palavras-chave. Apesar de bastante similar à funcionalidade anterior, essa modalidade serve para detectar pedidos de registros de marcas colidentes com a palavra-chave que você está monitorando. Ou seja, você não precisa acompanhar uma marca específica, pois o sistema permite monitorar colidências a partir de um termo qualquer.

Essa funcionalidade é bastante interessante de ser utilizada quando diversas marcas de um mesmo titular possuem um termo ou um radical semelhante, ou quando você quiser monitorar uma marca em potencial que ainda não está publicada na RPI.

3. Monitoramento de Processos

Por fim, existe o recurso de Monitoramento de Processos. Essa modalidade foi pensada para ajudar sua empresa a gerenciar os processos de registro que estão em andamento.

Com esse monitoramento você passará a acompanhar todos os despachos publicados na RPI de Marcas relacionados com os seus pedidos de registro. Assim, você não correrá mais o risco de confundir-se com prazos e, consequentemente, atrasar (ou até mesmo perder) um processo de registro de marca.

Com o Monitoramento de Processos, sempre que houver um despacho novo envolvendo um dos seus processos, o sistema envia uma notificação – também por e-mail ou SMS – para que você não perca nenhuma movimentação.

Está em busca de uma solução que permita monitorar as suas marcas de maneira constante e muito eficiente? Então conheça mais sobre o software que vai revolucionar a busca de marcas. Peça uma demonstração do Siga Sua Marca ou entre em contato conosco!